Uma palavra aos jovens.

Publicado em: 7/8/2001
Por: Robson do Nascimento


Na oportunidade em que fui convidado a dirigir um estudo aos jovens da igreja, aceitei o desafio de bom grado. Passei então a questionar-me sobre qual o assunto poderia trazer maior impacto àquelas vidas. Imediatamente busquei na minha mente identificar fatos ou acontecimentos da minha própria juventude e que pudessem servir de exemplo e de inspiração para esta ocasião. Lembrei-me primeiramente que a juventude é uma época de poucas decisões e escolhas. É certo que o jovem vai se deparar com muitas delas ao longo da juventude e depois em sua vida adulta, porém, refiro-me às decisões que podem trazer resultados permanentes e duradouros. Questões tais como: que curso profissionalizante estudarei? com quem devo namorar, noivar e casar? em qual curso da faculdade devo pensar e dirigir esforços? Estas, dentre outras, são as dúvidas e incertezas que mais incomodam os jovens. Se eles são cristãos estarão buscando na vontade de Deus a resposta para as suas perguntas.
Vamos ver um exemplo de decisões permanentes que mudaram a vida e a trajetória de um povo. Em Hebreus 11: 23-29 temos a narrativa sobre a fé de Moisés.
Antes, lembremo-nos o que havia acontecido ao povo de Israel àquela época. José, sendo hebreu, era governador do Egito. Esse status e posição foram adquiridos pela graça de um Faraó para com José, na ocasião em que ele interpretara sabiamente os sonhos que afligira o monarca. Ao perceber a sabedoria divina sobre José, o Faraó coloca-o como segundo homem em seu reinado. A fome, prevista por José, atinge também a terra de seus pais que são obrigados a ir ao Egito em busca de alimento. José convida então seus familiares a morarem com ele no Egito, recebendo consentimento da parte do rei. Com as mortes de José e do rei, surge um novo Faraó que desconhecia o sábio governador e seus feitos. Ao perceber que o povo hebreu crescia abundantemente, o Faraó determina que os filhos dos hebreus fossem mortos e lançados no Rio Nilo, a fim de não engrossar a população com maior força masculina, temendo que um dia os hebreus se juntassem à outros povos e lutassem contra os próprios egípcios. Ao mesmo tempo determina que os egípcios afligissem o s hebreus com maior carga de trabalho, mantendo-os sob constante ocupação e vigilância. As parteiras hebréias, temendo a Deus, e com penas das crianças, deixavam de cumprir a ordem de eliminar os filhos homens dos hebreus e Faraó não se conformava.
Nasce então um filho do sexo masculino em uma família onde tanto o pai, como a mãe eram Levitas, isto é, possuíam um passado e uma vida dedicada ao sacerdócio. Ao se depararem com um menino recém-nascido certamente aqueles pais foram possuídos por forte temor: cumprir ou não o mandamento do rei? A Bíblia diz que pela fé, Moisés foi escondido por três meses, pois seus pais perceberam que era um menino formoso.
Não mais podendo ocultar a criança, os pais lançam a criança no Rio Nilo e acompanham o berço no leito do rio para ver que fim teria o menino. Este é encontrado pela filha de Faraó, que se banhava nas águas do rio naquele exato momento (coincidência ou providência?). A filha de Faraó adota a criança e determina que fosse desmamado e criado por uma hebréia, que viria a ser a própria mãe de Moisés.
Ao cumprir a sua etapa, a mãe de Moisés o devolve à filha de Faraó, que passa a dar-lhe uma vida bem diferente daquela que ele vivia até então. Os palácios, as boas roupas, comidas, fartura, riqueza e festas faziam parte da vida de Moisés nessa nova fase.
Ao tornar-se grande (a Bíblia não diz que idade tinha), Moisés vê o seu povo sendo afligido por pesado trabalho e pela injustiça dos homens egípcios. Toma uma atitude de defender um hebreu, matando um egípcio. Ocultou o cadáver e pensou que ninguém havia tomado conhecimento. No dia seguinte ao deparar-se com dois hebreus em discussão, tentou apartar a discórdia e recebe por resposta o conhecimento que o delito praticado no dia anterior e que não era juiz nem mediador do povo de Israel.
Assustado, ao saber que Faraó também já sabia e queria matá-lo, Moisés decide fugir. Dirige-se para a terra de Midiã e passa a morar ali como um egípcio. Naquela terra Moisés procura esquecer o passado e constitui família.
Porém o relógio do tempo de Deus não havia parado. Com a morte de Faraó e o aumento de opressão ao povo, os israelitas clamavam ao Senhor por libertação. O Senhor os ouve e se lembra da aliança tratada com Abraão,Isaque e Jacó. Deus escolhe Moisés para aquela tarefa nada simples: conduzir o povo oprimido em direção à uma nova vida e à liberdade.
Ao ter seu primeiro encontro com Deus e saber que fôra escolhido para aquela missão, Moisés tenta recusar o convite de Deus, efetuando as perguntas:
  1. Quem sou eu, para que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?
  2. Quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: o Deus de vosso pais me enviou a vós; e me perguntarem: qual é o seu nome? que lhes direi?" e afirmando: "Ah! Senhor! eu nunca fui eloquente, nem antes ou depois que falaste ao teu servo. Sou pesado de boca e pesado de língua", e mais: "Ah! Senhor! Envia aquele que hás de enviar.
Vendo que não pôde recusar o "convite", Moisés parte para o Egito a fim de cumprir a missão. Passemos a ver alguns aspectos e características de Moisés:
  1. A fé que dá discernimento. "A verdadeira fé dá discernimento para se escolher aquilo que realmente vale na vida", Caio Fabio. Moisés possuía aquela fé ao tomar a atitude de recusar ser reconhecido como filho da filha de Faraó. Abandona o status, a posição social, o futuro de riquezas e a segurança que teria como descendente. Os versos 24, 25 e 26 de Hebreus 10 dizem que foi pela fé. Pela fé ele escolheu ser maltratado como hebreu, vendo que o futuro de glória era certo.
  2. A verdadeira fé dá coragem para deixar o que realmente não vale a pena na vida. Moisés deixou o Egito e sua riqueza, ignorou o poder do rei que poderia matá-lo ou perdoá-lo. Entre a sua consciência de que o povo hebreu era oprimido e a possibilidade de fazer parte integrante do grupo de opressores, optou para deixar aquilo que não valia a pena. Pela fé abandona o que não lhe parecia ser correto.
  3. A verdadeira fé dá confiança naquilo em que podemos depositar a verdadeira segurança. Ao enfrentar a praga destruidora que viria para ferir os primogênitos, Moisés celebrou a Páscoa e efetuou a aspersão do sangue sobre os umbrais das portas, confiando que o Senhor havia de lhes prover o livramento. O salmista diz que pela fé podemos andar pelo vale da sombra ou da morte sem temer mal algum.
  4. A verdadeira fé abre caminho onde não há caminho. Ao conduzir o povo de Israel pelo deserto em direção à terra prometida, Moisés depara-se com o Mar Vermelho à sua frente e os egípcios à retaguarda, enquanto que o povo murmurava, dizendo que não queria morrer no deserto quando o Egito era "tão bom para eles", pois era "melhor servir aos egípcios do que morrer no deserto". A palavra de Deus foi: "dize aos filhos de Israel que marchem, e tu levanta a tua vara e estende a tua mão sobre o mar divide-o para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em seco". Aleluia! O povo atravessou o Mar Vermelho. A fé abriu caminho onde não havia caminho. Falamos sobre a fé de Moisés. Porém, o que vem a ser fé? A própria Palavra de Deus responde: "Ora a fé é a certeza das coisas que se esperam, e aprova das coisas que não se vêem" Hebreus 11:1. E também que "é pela fé que nos aproximamos de Deus" Heb 11:6.
    Se fé é isso, como é possível obtê-la ou adquiri-la? Em Rom 10:17 temos a resposta: "a fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus". Aqui está a solução, ou melhor, o caminho para quem quer trilhar em busca de mais fé: ir em direção à Palavra de Deus.
    O andar do cristão também é pautado na fé. Aceitamos a Cristo pela fé e prosseguimos na carreira cristã na esperança de naquele grande dia recebermos a salvação e o galardão que nos está destinado. o Apóstolo Paulo diz que "andamos por fé e não por vista" II Cor 5:7 e que a a vida que agora vivemos, vivemos na carne, "vivendo-a na fé no Filho de Deus" Gál 2:20.
    Voltando ao início do estudo. Quão importante para os jovens nos dias de hoje é possuirem essa fé que auxilia a tomar as decisões baseadas na vontade e na Palavra de Deus. Fé para ter discernimento para escolher o que vale a pena. Fé para ter coragem para deixar para trás o que realmente não vale a pena. O Egito. Fé baseada em plena segurança, onde o mundo não pode se basear, pois está baseada no próprio Deus. E fé para abrir caminho onde não há caminho.
    Qual a sua fé hoje?
    "Esta é a vitória que que vence o mundo: a nossa fé". I João 5:4

    Fonte: Webservos
Uma palavra aos jovens. Uma palavra aos jovens. Reviewed by Antônio on 18:16:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

AD